domingo, 11 de setembro de 2016

O Derby de Manchester


O Manchester City de Pep Guardiola e o Manchester United de José Mourinho defrontaram-se ontem, em Old Trafford, no duelo mais mediático da 4ª jornada da Premier League. O Manchester City, estruturado em 4-3-3, alinhou com Bravo (em estreia absoluta pelo novo clube); Sagna (uma meia-surpresa, já que se esperava a titularidade de Zabaleta), Stones, Otamendi e Kolarov; Fernandinho, David Silva e Kevin De Bruyne; Sterling, Nolito e Iheanacho (rendeu o castigado Agüero), enquanto o Manchester United, em 4-2-3-1, apresentou De Gea; Valencia, Bailly, Blind e Shaw; Fellaini e Pogba; Mkhitaryan (no lugar de Mata), Lingard (no lugar de Martial) e Rooney; Ibrahimovic. Uma constelação de estrelas, portanto, com dois treinadores de classe mundial no banco de suplentes e um ambiente incrível nas bancadas.

Embora os minutos iniciais do Manchester United tenham sido prometedores, com a atitude mandona que se exige à equipa que joga em casa, foi sol de pouca dura, pois o Manchester City, após um período inicial de algum nervosismo, estabilizou e arrancou para uma primeira parte de grande nível: com bola, um ótimo jogo posicional, com linhas de passe e posicionamentos bem definidos a cada momento, para permitir à equipa evoluir no relvado de forma apoiada; sem bola, uma pressão altíssima e sufocante, a “abafar” por completo os comandados de Mourinho, que se afundaram no campo e foram incapazes de ligar três passes seguidos por largos períodos de tempo. Otamendi e Stones fortíssimos na antecipação e no encurtamento dos espaços, David Silva a encher o campo com a sua movimentação e qualidade a gerir ritmos e Iheanacho a fazer um bom trabalho a ligar setores e a segurar a bola para a equipa subir em bloco. Foi por isso com naturalidade que o City se adiantou no marcador, aos 15 minutos, por intermédio de Kevin De Bruyne, num lance, porém, algo incaracterístico, a fazer lembrar o mítico “kick and rush” britânico – bola longa de Kolarov, Iheanacho, em apoio, amortece para De Bruyne, que ataca a profundidade, dribla Blind e finaliza com classe. A toada manteve-se e, aos 36 minutos, Iheanacho ampliou a vantagem, numa recarga a um remate ao poste de De Bruyne. O intervalo aproximava-se a passos largos e o City tinha o adversário completamente manietado, mas um erro do estreante Bravo (um dos muitos disparates que fez ao longo do jogo, diga-se) alterou por completo as coordenadas de uma partida aparentemente controlada; num livre lateral batido por Rooney aos 42 minutos, Bravo quis ir buscar uma bola que não era sua, chocou com Stones e deixou a bola à mercê de Ibrahimovic que, com a qualidade na execução que todos lhe reconhecem, fez o 1-2. Aí, o United galvanizou-se e, ainda antes de Mark Clattenburg apitar para o descanso, o extraordinário avançado sueco teve nos pés o empate, mas falhou clamorosamente.

Após o intervalo, Mourinho fez duas substituições (Rashford e Herrera entraram para os lugares de Mkhitaryan e Lingard) e modificou também alguns posicionamentos, com Rooney e Rashford a fecharem os corredores laterais, Fellaini mais próximo de Ibrahimovic e Herrera e Pogba no duplo pivot, mas também bastante subidos. Beneficiando de um pressing mais alto e de um jogo mais direto, o United começou a criar mais dificuldades ao City, com algumas recuperações altas perigosas, mas Guardiola respondeu rapidamente, fazendo entrar Fernando para o lugar de Iheanacho e alterando o sistema de jogo para uma espécie de 4-6-0, sem uma referência fixa na frente. A ideia era boa – assegurar novamente a superioridade numérica no miolo e retirar as referências à linha defensiva do United, para aproveitar o espaço existente nas costas da pressão – mas não funcionou em pleno, pois, sem Iheanacho na frente a fornecer os apoios verticais e com Nolito e sobretudo Sterling muitas vezes incapazes de dar a melhor sequência às jogadas, o City começou a perder muito bolas no último terço e deixou-se mesmo encostar às cordas em alguns momentos. Nesta fase, o jogo “partiu” completamente e tornou-se numa partida de parada-resposta típica da Premier League, ou seja, com “bola cá bola lá”, uma intensidade altíssima e ambas as equipas a beneficiarem de oportunidades para fazer, quer o 1-3 (De Bruyne enviou outra bola ao poste e David Silva, à entrada da grande área, atirou a rasar a barra), quer o 2-2 (Ibrahimovic, a passe de Rashford, mandou por cima da baliza, já bem dentro da grande área, e Rashford chegou mesmo a introduzir a bola na baliza, mas o golo foi invalidado, por fora-de-jogo posicional de Ibrahimovic), bolas paradas à parte. Contudo, o resultado manteve-se inalterado até final e o City saltou para a liderança isolada da Premier League (4 vitórias em outros tantos jogos), em mais uma vitória de Guardiola sobre Mourinho, a 8ª em 17 confrontos entre os dois treinadores.

Resumindo, a vitória tangencial dos pupilos de Pep Guardiola espelha bem o que se passou em campo: o City foi muitíssimo superior na primeira parte e justificou plenamente a vantagem, o United equilibrou a contenda na segunda parte e criou algum perigo, mas nunca conseguiu impedir o City de continuar a criar oportunidades em transição ofensiva, pelo que o resultado ajusta-se perfeitamente. De salientar também os diferentes estados de maturação dos dois modelos de jogo: enquanto na equipa de Guardiola já existe uma ideia de jogo clara (os posicionamentos para sair a jogar já estão bem oleados, bem como os timings e referências de pressão, e com alguns jogadores a conseguirem já associar-se entre si), do lado oposto, honestamente vê-se pouco trabalho tático, com uma organização defensiva, no máximo, razoável, um par de combinações ofensivas mais ou menos mecanizadas e pouco mais. Muito esforço, mas poucas ideias, pouco pensamento coletivo, pouco entrosamento entre os jogadores…José Mourinho tem ainda muito trabalho pela frente se quer colocar o United a lutar pelo título até ao fim.


Individualmente, do lado do Manchester City, há dois destaques óbvios: Otamendi, imperial na primeira bola, com uma leitura superior dos lances e quase sempre com critério a sair a jogar, e o formidável David Silva, provavelmente o melhor jogador de futebol dos vinte e dois que subiram ontem ao relvado. Fernandinho, Kevin de Bruyne e Stones a muito bom nível também. Do lado do Manchester United, como a organização coletiva não está ainda no ponto que Mourinho certamente deseja, as exibições individuais ressentiram-se, mas Bailly (sempre no caminho da bola) e Pogba (há quem diga que fez uma exibição discreta, mas o seu jogo ganha maturidade quando atua em posições fora do bloco e que exigem decisões mais criteriosas e seguras) foram os elementos em maior evidência. Ibrahimovic sempre inconformado e boas entradas de Rashford e Herrera, a mexerem com o jogo e a justificarem uma aposta mais regular.

No que toca à arbitragem de Mark Clattenburg, pese embora as críticas de José Mourinho, na verdade ficou um penalty por marcar para ambos os lados: aos 55 minutos, Bravo tenta fintar Herrera, adianta a bola em demasia e atinge Rooney; e aos 70 minutos, num lance confuso na pequena área do United, Bailly atropela Otamendi e impede-o de disputar a bola em condições.

Uma incrível Premier League em perspectiva, com todas as condições para a cidade de Manchester se assumir como o centro do universo futebolístico...Para já, neste duelo de titãs, Guardiola ganhou o primeiro round.

quarta-feira, 13 de abril de 2016

O meu modelo de jogo é melhor que o teu?

“Vibram os arautos do andamento
com o aumento da correria
p’ra eles aí reside o talento,
o jogo esse virou porcaria!

Jogadores de futebol
de atletas travestidos,
dando à correria lugar-ao-sol
o futebol fodem e são fodidos!”


(Frade, 2014)


Há inúmeras formas de chegar ao sucesso, na mesma medida em que o sucesso pode ter inúmeras formas.

Linha defensiva em controlo da largura e da profundidade. A entender os espaços que tem de fechar, e as trocas posicionais. Linha de fora-de-jogo definida pelo homem da cobertura. Em caso de desequilíbrio, homens mais próximos a fechar corredor central e a obrigar adversário a jogar por fora. Linhas próximas, mais atrás ou mais à frente, mas sempre próximas. Zonas de pressão definidas, condicionar o portador da bola e ser sempre agressivo quando adversário recebe de costas ou bola pelo ar. Baixar para trás da linha da bola na transição defensiva. Com bola? Jogar, sempre. Primeira fase com 2 ou 3 opções, com objectivo de entregar a bola limpa aos colegas. Com paciência, se necessário rodar o jogo até haver espaço para entregar e receber. Jogar entre-linhas e de cara. O passe vertical, que queima linhas. Se o adversário basculou e está fechado, voltar à 1ª fase de construção ou usar apoio mais recuado para circular. Extremos dentro, arrastam marcações e lateral aparece; se a marcação não vier, recebe e joga dentro. Jogar dentro do bloco adversário. Sair da pressão em segurança. Variar o centro de jogo. Avançado em apoio frontal, quando tem liberdade para definir extremos fazem diagonais interiores. Entender quando adversário está subido: ataque rápido + profundidade. Busca pelo desequilíbrio em todas as zonas do campo: 2x1, 3x2, 4x3, acelerar. Criatividade. Zonas de finalização definidas, com médios a encurtar para linha de passa atrasada ou segundas bolas. Assimilar os comportamentos em treino para os poderes fazer na competição, seja com que adversário for.

O jogo valoriza jogadores, e os jogadores valorizam o jogo. E o treino.


sexta-feira, 8 de abril de 2016

Um Maradona em cada um

Tens meia-hora para Maradona?



Porque a melhor maneira de "quebrar" um adversário ainda é, e sempre será, fazeres o que ele não está à espera. Se tens habilidade, a melhor rentabilidade para a equipa será utiliza-la, mesmo que implique ceder noutros aspetos. Quantas linhas de passe Maradona desperdiçava? E quantas opções, nessa forma, condicionava a atitude da equipa contrária? Vai para a esquerda, direita, vai temporizar ou passar? Era impossível prever. Quebrando linhas, chamando adversários e deixando-os sem saber o que fazer para o parar. Os melhores são assim, imprevisíveis. Poder contar com eles é um privilégio e importa continuar a fomentar e fazer crescer jogadores deste perfil. Sem medo de arriscar, com talento e paixão por fazerem o que os deixa (e que nos deixa) felizes. E só com liberdade o conseguiram fazer.

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Dinâmicas de equipa vs Dinâmicas de jogadores


Decorria o jogo Boavista-Benfica, quando no sítio onde me encontrava, um senhor teve um comentário interessante. "O Benfica hoje não está com a dinâmica habitual!". Isto fez-me lembrar de uma citação de Carlos Carvalhal que li recentemente e que vai um pouco de encontro ao comentário deste senhor. Dizia Carvalhal que as dinâmicas da equipa estão dependentes do perfil dinâmico dos jogadores nas suas posições. Que por exemplo, se uma equipa tiver um lateral direito ofensivo e num certo jogo tiver que jogar um lateral direito mais defensivo, as dinâmicas da equipa vão mudar. Logo podem imaginar o que acontece quando se mudam 4 ou 5 jogadores titulares, que no fundo foi o que aconteceu no jogo do Benfica.

Mas não desviando do tema principal, abrem-se algumas dúvidas na minha cabeça relativamente a este tema. É inegável que o perfil dinâmico de cada jogador é essencial para a forma como a equipa se apresenta em campo. Mas as dinâmicas "originais" da equipa, introduzidas e fomentadas desde a pré-época, mudam apenas por isso? Ou serão antes simplesmente interpretadas de outra forma? Num passado recente vimos, por exemplo, Busquets ou Mascherano a jogar a 6 no Barcelona. O perfil de cada jogador acabava por influenciar as dinâmicas de jogo da equipa, mas ao ponto de as alterar? Ou seriam as dinâmicas as mesmas mas apenas não tão bem interpretadas devido ao diferente perfil dinâmico que se encontrava naquela posição? A minha dúvida insere-se exatamente aqui.

Tenho algumas reticências em acreditar na alteração de dinâmicas coletivas simplesmente pelo uso de jogadores com diferentes perfis em certas posições. As equipas dificilmente conseguem ter 22 jogadores homogeneamente distribuidos por posição, no entanto é óbvio que o procuram. Se o Barcelona deixasse sair Busquets, dificilmente iria à procura de um "destruidor de jogo" para aquela posição. As dinâmicas de equipa são treinadas semana após semana e a tendência será sempre para melhorá-las usando os diferentes perfis dinâmicos dentro de um plantel. Nisso não tenho dificuldade em concordar, em adaptar as dinâmicas às características dos jogadores que temos à disposição. Mais difícil é acreditar que numa semana em que o treinador não tenha jogador X, que as dinâmicas coletivas para esse jogo irão mudar simplesmente porque jogador Y tem um perfil de jogo diferente.

sábado, 26 de março de 2016

Futebol juvenil: As excepções que nos fazem acreditar

Quando falamos em futebol juvenil não são raras as vezes em que associamos tal a fenómeno a comportamentos incorrectos e situações degradantes.

Durante treze anos de ligação ao futebol juvenil enquanto jogador tenho de admitir que foram raras as vezes onde não se ouviam insultos, assobios ou ameaças vindas da bancada, quer fosse em direcção aos árbitros, jogadores ou até mesmo equipa técnica. E isso leva-nos a um ponto crítico. Até que ponto a presença e comportamento incorrecto das pessoas presentes em jogos de crianças é benéfica para as mesmas?

Claro que o calor do jogo, a intensidade e a pressão são tudo factores que fazem uma criança desenvolver-se mental e fisicamente na prática do futebol, mas todos esses factores deveriam ser proporcionados pelo jogo dentro das quatro linhas e não pelo ruído das bancadas.

Num país onde cada vez mais o público do futebol juvenil se revela uma má influência no mesmo, temos de saudar e bater palmas aqueles que tentam ser diferentes. Temos de agradecer a todos os que tentam transmitir aos seus filhos o principal valor e objectivo da prática de uma modalidade desportiva que é divertirem-se.


Não têm de ser os pais a querer e a impor aos filhos o sonho de profissionalizarem-se, isso é uma vontade que tem de partir deles mesmos sem nunca se esquecerem do porquê de gostarem tanto de jogar futebol, seja na rua, num treino ou num jogo do campeonato, eles estão lá porque gostam de jogar e gostar do que fazemos será sempre o passo mais importante para sermos bem-sucedidos nisso mesmo.

Por isso, sigam o exemplo daqueles que mais interessam e deixem os vossos filhos aproveitar o momento que estão a viver no futebol juvenil. Cada agente tem o seu papel na prática do futebol juvenil e o do público é apoiar, não é treinar nem arbitrar. Por isso, deixem-nos crescer, deixem-nos errardeixem-nos viver e deixem-nos saborear aquela que pode ser a melhor passagem no desporto deles.

Em jeito de conclusão e de modo a justificar o título, tenho quase 14 anos de futebol em cima de mim, 13 como jogador e 1 como treinador, e foi neste ano que voltei a ganhar um pouco da esperança no futuro dos miúdos.  Foi bom poder verificar e assistir a pais preocupados com o facto do seus filhos se estarem a divertir em vez de criticarem as opções do treinador.

E são estas as excepções que nos fazem acreditar num futuro melhor para o futebol juvenil. Um futuro onde a exigência e o divertimento possam andar de mãos dadas sem serem precisas pressões adicionais da bancada. 

A estas excepções, o meu obrigado por estarem a fazer aquilo que é correcto.